Ponto de observação

  Passa ônibus, passa ônibus, passa ônibus. Nunca é o meu, lógico! E no meio de um raciocínio: “Pipoca, amendoim, docinho de caju. Um real moça, vai aí?” “Obrigada” respondo sorrindo, reflexo do riso interno, afinal, era exatamente nisso que pensava. Não na pipoca ou no amendoim. Muito menos no docinho de caju. Mas nas … Continue lendo Ponto de observação

No dia 25 de outubro de 2010, além de tudo, choveu.

Uma passou o dia fitando o celular que insistia em não tocar. Preocupada, fez pensamento positivo, segurou o choro e se arrastou quase como na inércia para a sala de aula. A rotina doía. O trabalho era sem graça e a volta para casa não continha emoção alguma. Precisava, no mínimo, beber. A outra sentia saudades daquilo que … Continue lendo No dia 25 de outubro de 2010, além de tudo, choveu.

Fardo de escritor

Aquela sensação de desânimo, apatia e quase-depressão batia novamente. Sempre acontecia quando se via muito tempo em casa, mesmo que atarefada. Às vezes quando à toa isso também incomodava, mas acho que mais mesmo quando o encontro com outras pessoas era raro, escasso. Aí então começava a lembrar de coisas que não devia e a … Continue lendo Fardo de escritor

Reflexo torto

O rosto, por mais que cinco anos mais novo - e calcula uns dez quilos mais fino -, ainda reconhece. Os traços são praticamente os mesmos, moldados por um corte de cabelo pouca coisa mais recatado. São os olhos, dotados de uma alegria sem fim, fruto de conhecer coisas novas, almejando novas experiências e brilhando … Continue lendo Reflexo torto