Vem, 2013!

Incrível, agora, é escrever sem sentir dor. Impressionantes são as visitas cada vez maiores em meu blog – que já não espreme todo o sangue de um coração partido e moído e pisado. Interessante é perceber que felicidade também vende, que superação também atrai e que amor não precisa ser sofrido. Sorrir ao ler textos … Mais Vem, 2013!

Se amar fosse doce

Se deixar para lá fosse um esporte, teria fôlego para muitas rodadas. Mesmo sabendo que certamente perderia algumas. Então vem. Faz um estrago na minha vida. Encanta minha rotina. Dá vida ao meu acordar. Só peço que, por carinho ou consideração, vá embora antes do anoitecer. A dor brilha mais sob a luz da lua. … Mais Se amar fosse doce

Facebookcídio

A gente vive em cidade pequena e reaprende a conectar sem presença de tecnologia, a curtir sem apertar um botão, registrar sem fazer check-in, estar junto sem tagar em fotos, aproveitar sem flashs e ter uma história incrível para contar sem atualizar status.

Mal entendido

A culpa poderia ser sua se estivesse presente naquela hora e naquele lugar. A culpa seria do padeiro, do mesário, motorista ou carteiro. Se lá estivesse o maestro, o músico, o professor ou o leiteiro. Ah, seria certeiro. O banhista, o maratonista, o bancário ou o banqueiro. Tão faceiro. Sim, teria desculpa, mas mais venceria … Mais Mal entendido