Busca

Escrevo, depois apago

Não fui eu, foi meu eu-lírico

mês

setembro 2014

Crônico

é uma dor tão filha da puta, mas tão filha da puta que avisa que vai doer.
começa com uma pontada. são espasmos espalhados no tempo. contrações.
e vão ficando mais fortes e mais intensas e mais doloridas. como facadas. pequenos pinos, talvez, que cutucam, cutucam, cutucam.
lâminas cada vez mais pontudas e afiadas. dores cada vez mais agudas.
um incômodo que, quase imperceptível, fica lá, o dia todo, todo dia.
ameaça aumentar.
e aumenta, aumenta, aumenta.
vira irritação constante, sensação de estar lá, dentro, fundo.
as mãos tentam tocar o peso da dor. esfregam o peito, enxugam a testa, em atos frágeis e desesperados, coçam a garganta. com delicadeza os dedos se apertam contra a palma das mãos, suadas.
o estômago é sempre a próxima vítima. arde. não digere. não aceita. nem alimento nem bebida. vomita. a abstinência funciona como tratamento quimioterápico.
o organismo reage. rebela-se. grita. contorcendo-se, briga.
é guerra interna. não atinge países vizinhos.
o rosto chega a sorrir. as fotos saem todas bonitas. o trabalho flui, vezes um pouco mais lento.
o mundo segue girando, redondo que é. e a vida continua sempre em frente, vezes em curva, vezes de ré.
é preciso ser forte para manter-se de pé.
respira, respira, respira. até afetar o pulmão.
inspira ares de compaixão.
sufoca. e dói.
comprime. e dói.
e dói e dói e dói.
e tudo surta. tudo muda. tudo fere.
protege-se. investe na fé.
e é preciso ser forte para manter-se de pé.
quase retrocede, cede, envia, liga, chama, clama.
mas aguenta. caído na lama, apoiado no mundo, espera o baixar da maré.
e melhora.
às vezes até passa.
mas sempre volta.
aos poucos e abundante.
em testes velados.
como goles ferventes de café.

Anúncios

Vamos fugir

hoje me bateu uma saudade daquelas calles llenas de paralelepípedos, ventanas grandes, poucas opções de lazer e muito tempo de sobra.
quando dá vontade de fugir de novo pode ser que alguma coisa esteja errada. ou que a gente precise um tempo de nós mesmos, sabe? para poder-nos conhecer melhor.
há quem diga que viajar para distanciar-se de problemas é bobagem, prática ineficaz.
ah, quem afirma tamanha heresia nunca embarcou em experiências internacionais -para fora de si – com a maestria necessária.
é claro, ao empacotar, guardamos também o cérebro e o coração, vitais à nossa saúde e a nosso sofrimento. mas navegar por terras distantes, voar para longe da raiz do que aflige e desembarcar em estações além-mar de lágrimas é um santo remédio.
é possível desfazer-se e reconstruir-se em um apenas partir e chegar.
pôr os pés em novos destinos são oportunidades de escolher uma nova personalidade e encontrar-se ainda mais.
viajar é conhecer pessoas novas, culturas infinitas, idiomas impossíveis de decifrar e entender que a vida é muito mais e maior do que aquele minúsculo mundinho cotidiano, de onde saiu o motivo do pesar.
não pesa mais, a não ser que o passageiro muito insista em vestir aquela máscara de oxigênio sem haver despressurização na cabine.
melhorar depende única e exclusivamente de quem decide caminhar por outras estradas da vida.
viajar é ter problemas maiores do que dor de amor, de desilusão, de perda.
viajar é perdão, é esquecimento, é superação. viajar é auto-conhecimento, auto-suficiência.
viajar é cura, sim.
e chegou minha hora de partir de novo. de mim e para mim. em uma viagem sem fim.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑