Eu quero é botar meu bloco na rua

Em versos desprovidos de rima, banhados de rítmica melodia, me recuso a passar pelo mesmo infortúnio que me trouxe até aqui. Tantos parágrafos tingidos de sangue de duas esferas cansadas de chorar. É vomitar verde quando já não se tem nada no estômago. Arranhar-se com pequenos cacos de um relógio estraçalhado, erroneamente culpado pela espera … Mais Eu quero é botar meu bloco na rua

Felicidade sim

Reconheci a tristeza no olhar baixo, sorriso pesado e caminhar lento. Reconheci-a na lerdeza do teclar, no penteado desajeitado, na falta de se arrumar. Na falta de inspiração, ah, ela estava lá. Não tinha ânsia de mudar, acordar, comemorar. Até o paladar essa maldita sabe como afetar. Então não tinha jantar, não tinha almoçar, mal … Mais Felicidade sim

O primeiro dia do resto da minha vida

O primeiro dia do resto da minha vida escritora foi quando sentei à frente do computador e escrevi sozinha minha primeira história. Não deu tempo de esperar a inspiração chegar. Algo tinha que ser entregue. Então entreguei. O primeiro dia do resto de minha vida escritora tinha eu e uma página de word em branco, referências abertas … Mais O primeiro dia do resto da minha vida

Desapego

Veja bem, a partir do momento que te entregar esse papel, o texto já não será mais meu. Ele passa a ser seu. Quer dizer, nem seu. Passa a ser nosso. Nem nosso. Ele é dele mesmo, entende? É o conjunto da obra, um trabalho inteiro. Só eu, escrita, é metade. Só você, imagem, falta … Mais Desapego

Pode beijar a noiva

Teus olhos brilhavam, sorriam teus lábios tensos. As mãos não se desgrudavam nem por um segundo, dedão com dedão fazendo movimentos circulares para ver se o ciclo começava ali mesmo ou se era só alucinação. Teus pés bailavam uma espécie de forró, derrapando sem medo pelo chão de mármore gelado incapaz de conter teu suor. … Mais Pode beijar a noiva