eu remo, tu remas

Errei o caminho três vezes
Cheguei e já não tinha vaga
Rodei e rodei e rodei
Parei
Cabeça apoiada no volante
As pernas já não tinham forças para sair
Saí assim mesmo
Cambaleei
Não entendi uma palavra proferida a mim pelo caixa
20 30 40 129 reais
Posso ter sido roubada
Só queria sair dali
Entrei e sentei
Bebi uma cerveja quase sozinha
Não deixei esquentar. Não dessa vez
Esperei e esperei e esperei
Cada um que passava achava que era você
Um cara careca
Uma mina de dread
Um grupo de amigos nigerianos
Um brother muito doidão
O barulho me incomodava
Segurei bem forte os ouvidos. Feito concha
Acho que fui cantada. Ignorei a investida
Não sei mais se gosto de homem
Sai daqui, disse. Grossa como nunca
Como sempre
O mundo começou a girar
Não tô acostumada com cerveja gelada descendo assim, de uma vez
Quando tava a ponto de sair correndo, me recolhendo
Despontou você
Respirei
As águas rolaram tanto e muito
De alívio
De estar finalmente em casa
Às vezes só o que eu preciso é te dar um abraço
E basta.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s