Busca

Escrevo, depois apago

Não fui eu, foi meu eu-lírico

Categoria

A cidade em você

Eu quero é botar meu bloco na rua

Em versos desprovidos de rima, banhados de rítmica melodia, me recuso a passar pelo mesmo infortúnio que me trouxe até aqui. Tantos parágrafos tingidos de sangue de duas esferas cansadas de chorar. É vomitar verde quando já não se tem... Continue lendo →

Anúncios

Guanajuato lindo y querido

Lembra quando a gente chegou aqui, meu deus? Uma menina de olhos chorosos e bússula quebrada. Não fazia a menor ideia de quem era ou de quem poderia vir a ser. No começo, foi o México que teve que se... Continue lendo →

Facebookcídio

A gente vive em cidade pequena e reaprende a conectar sem presença de tecnologia, a curtir sem apertar um botão, registrar sem fazer check-in, estar junto sem tagar em fotos, aproveitar sem flashs e ter uma história incrível para contar... Continue lendo →

Buena onda

Chuva que lava o chão da alma, escurece o céu e clareia a mente. Deixe-me enxergar através de límpidas gotas de frescor tudo aquilo inchado pelo calor. Deixo limpar enquanto espero paciente o libertar do caminho à casa de Linda.... Continue lendo →

A hora de ir pro altar

Cidade do interior é assim mesmo: calor durante o dia, frio durante a noite. Aquela calmariiiiiia que inquieta, ao invés de acalmar, qualquer um acostumado com uma metrópole. Ar puro, vizinhança inteira se conhece, é amiga e todo mundo sabe da vida... Continue lendo →

Bem vindo de volta, São Paulo

OBS: este texto é uma reedição (blog naotembulameuremedio.wordpress.com) Quase 2 meses depois da data oficial, o ano começou (agora na prática). Quem ia viajar, já viajou. Quem é fã da mais famosa festa brasileira e passa o resto do ano pensando em pular... Continue lendo →

Protesto da alma

As lágrimas que escorriam chegavam à boca quase no exato momento em que balbuciava fragmentos de memórias de velhos e bons tempos que passara naquelas salas. Risadas, choros, surpresas, conversas, paqueras, análises, apreciações e, não raras vezes, até um cochilinho daqueles propícios... Continue lendo →

Raindrops keep falling on my head

Pequenas nuvens começam a se formar. É nessa hora que, aqueles que podem, saem de seus trabalhos, correndo. Ao alcançar o próximo quarteirão, o céu já é encoberto por um manto enorme, espesso, preto. Agora é só esperar. No caminho,... Continue lendo →

Se pudesse ajudar…

Pensei, pensei, refleti, pensei mais e tudo isso não sai da minha cabeça. Tantas imagens, informações, uma enxurrada de desastres e lágrimas. A vida humana como ela é: frágil, pequena, sujeita, impremeditável.  A morte tão de perto. A natureza, bela, vira... Continue lendo →

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑