Busca

Escrevo, depois apago

Não fui eu, foi meu eu-lírico

Categoria

Rimas pobres e todo o sentimento do mundo

Embriaguez

Maria começou a sentir tudo aquilo novamente. O tremelique que dá nas pernas, a vontade de berrar e chorar ao mesmo tempo que ri. E comer ao mesmo tempo que não sente fome e dormir quando o sonho atinge a... Continue lendo →

Anúncios

Canção de Ninar

Aquieta esse facho, menina. Acalma essa alma. Canta essa canção. Não deixa mais vir do coração. Medita nas nuvens. Encontra o equilíbrio. Desperte o chakra. Deita na cama. Chore de rir. Assista TV. Beba um copo de vinho. Talvez dois.... Continue lendo →

Pode beijar a noiva

Teus olhos brilhavam, sorriam teus lábios tensos. As mãos não se desgrudavam nem por um segundo, dedão com dedão fazendo movimentos circulares para ver se o ciclo começava ali mesmo ou se era só alucinação. Teus pés bailavam uma espécie... Continue lendo →

Convulsa

Pisei na bosta enquanto era apunhalada pelas costas depois de um momento constrangedor e um teste de caráter/camaradagem/mesmo time meio que hétero, meio que gay porque na hora h bem capaz que pegasse a Maria Gadú meu gosto musical é muito... Continue lendo →

Fotografa

O coração que bate. O sangue que pulsa. Sozinhos. As fotos na parede, o banco debaixo d’árvore, o cão que passeia cabisbaixo cansado de intrometer-se em conversas alheias. Sozinhos. O bar que espera o cliente, cheio de bebida, a faixa... Continue lendo →

Quem já passou por essa vida e não viveu, pode ser mais, mas sabe menos do que eu

Luiz morreu aos 54 anos. Refeições gordurosas regadas a cerveja, vinho e uísque da melhor qualidade provavelmente destruíram seu fígado. Mesmo sabendo de sua condição genética - a mãe de Luiz morreu de cirrose sem nunca ter bebido uma gota... Continue lendo →

A história de Maria: quem disse que um versinho não daria?

Maria morreu aos 86 anos. Uma veia entupida fez seu coração parar de bater. Maria fazia check-up a cada seis meses, usando o convênio de idosos que um médico também idoso recomendou. Morava na mesma casa há 50 anos. Foi... Continue lendo →

Entorpece

quero sentir aquilo de novo. dor misturada com prazer que misturada com dor vicia mais que cocaína. adrenalina. canabis injetada na veia. efeito purpurina. cerveja com gosto de champagne, chuchu que parece chocolate, alface com gosto de aipim. combinação que... Continue lendo →

S.O.S.

“tô precisando de ajuda”, disse. foi a primeira vez em muito tempo que deixou sair todo o desespero. soou brando, doce e sincero. mas era dolorido, veloz, fatal. incontolável, triste, choroso, moroso, agudo, azedo, difícil. era chato, impróprio, atrapalhava, matava,... Continue lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑