fall (in love)

Suor na nuca. Tamborilar dos dedos. No peito uma nova invasão. Outra vez não. Ansiedade maluca. O alívio que chega quando aparece de supetão. Ah não, outra vez não. Cabeça enfiada no travesseiro. Joelhos segurando a testa. Rímel escorrendo de montão. Outra vez não. Sorriso bobo que não me pertence. Andar sem nem tocar os … Continue lendo fall (in love)

Dorme bem

Eu odeio quando você me deixa assim. Fria. Odeio quando faz questão de limitar a conversa e bruscamente anunciar sua partida. Vou dormir, você diz, está tarde. São 21h. Boa noite, você deseja. Boa noite, eu respondo. E espero. Vai ceder, eu penso. Em silêncio você fica. Ignoro. E me distraio. Mas não consigo. Não … Continue lendo Dorme bem

Paraquedas

O vento bate forte nesse óculos gigante sem grau. Tão forte que não enxergo nada. Nada. As roupas, que não são minhas, pesam demais. Carregam uma história um tamanho maior que o meu. Doem os ombros e seguram as pernas, que não sabem muito bem se conseguem dar um passo para frente. É alto demais. … Continue lendo Paraquedas

posologia

dá um tremelique. começa bem no centro do corpo, meio que na espinha, meio que no estômago. aí desce pras pernas, fazendo cair. fazendo tombar. perdendo o equilíbrio como quando criança que vivia engessada. que vivia ralada, vivia. o tremor sobe pra cabeça, balança os ombros, faz chacoalhar o pulmão. dá uma agonia dentro da … Continue lendo posologia

Labirinto

não precisa nem tocar. nem relar. nem precisa chegar perto. é só aparecer. em sonho. em texto. em pensamento. é só lembrar. é imaginar. mesmo no ambiente menos propício. mesmo quando o assunto é tenso. mesmo quando dá sono. dá tédio. tem graça. porque tá dentro. porque tá junto. e não precisa de muito mais. … Continue lendo Labirinto

tá nublando a nuvem dos olhos. o cinza é clarinho e o sol ainda se vê ao longe. o mundo é muito grande. e tem tanto problema maior do que o meu. injusto é deixar a inocência deitada na cama, vítima de um vírus qualquer. raro. injusto é ver a cria murchinha, tristonha, sem poder brincar. … Continue lendo

RG

Demorei muito pra me encontrar. E essa não é uma música do Fábio Jr. Quem me conhece, mas, assim, conhece mesmo. Mesmo, mesmo... sabe que eu tenho uma lista de nomes imensa pros meus filhos que ainda hão de vir. Spoiler: todos eles nascerão com 87 anos, culpa de nomes lindos e controversos nas rodas … Continue lendo RG

Tóxico

Tem gente que consegue extrair o pior de dentro de nós. Funciona como veneno poderoso. Nem precisa ser ingerido. Basta chegar perto, basta exalar aquele aroma seco que machuca os pulmões no respirar mais profundo. O veneno - que, cruel, não mata - age como droga. Nocivo que é, ele muda a forma de lidarmos … Continue lendo Tóxico

Família ê

Teve uma época, quando adolescente, que todos os grupinhos usavam muito a famosa "amigos são a família que a gente pode escolher". Era legenda de foto em fotolog, frase frequente nas cartinhas trocadas na aula de física e homenagem sempre presente em cartões de aniversário. Os amigos eram a parte fanfarrona da nossa grande família. … Continue lendo Família ê

De Ferro

A gente fica forte. Ri, sorri, gargalha até. A gente acha bonito o céu, o formato das nuvens, o novo corte de cabelo, o sapato que o orçamento apertou pra poder encaixar. A gente se encanta com o ronronar do gato, o novo episódio da série, as possibilidades de futuro próspero. A gente fica até … Continue lendo De Ferro