Busca

Escrevo, depois apago

Não fui eu, foi meu eu-lírico

Categoria

Cartas para o leito 550-2

Pai. Do verbo ‘insubstituível’

a dor dói menos mesmo. como todo mundo disse que aconteceria. todo mundo com um mínimo de sensatez, né? o que mais me irritava quando você lá estava, já não sabendo direito que dia era (felizmente sem nunca esquecer-nos) e... Continue lendo →

Anúncios

Faz um tempo, eu quis fazer uma canção pra você viver mais

Eu tinha um medo incondicional de que alguma coisa, um dia, acontecesse com você. Dizem que, quando nascemos, no fundo sabemos o nosso destino e as dores pelas quais passaremos. Se for verdade, talvez fosse só minha memória irracional me... Continue lendo →

Uma carta e qualquer órgão que você precisar

Tem gente que te vê amarelo. Eu te vejo lindo. Tem gente que fala com você com pesar. Eu pergunto as novidades e, por tanto te conhecer, estou preparada para qualquer reação vezes exagerada e precavida que você pode ter.... Continue lendo →

Carta para o leito 550-2

Não sei se eu já te contei isso, pai, mas eu falo de você para todo mundo. Minhas antigas chefes, se pudessem, teriam te contratado. Para elas, a minha capacidade de trabalho sob pressão e qualidade nos textos era reflexo... Continue lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑