Busca

Escrevo, depois apago

Não fui eu, foi meu eu-lírico

Tag

amor

Eu Android, você iPhone

Te conheci numa dessas festas em que eu não deveria estar. Conversando com gente desinteressante e bebendo um drink cujo nome jamais saberei pronunciar, mas que tinha um sabor meio assim, de amora, que me fez repensar todo álcool de... Continue lendo →

Anúncios

Embriaguez

Maria começou a sentir tudo aquilo novamente. O tremelique que dá nas pernas, a vontade de berrar e chorar ao mesmo tempo que ri. E comer ao mesmo tempo que não sente fome e dormir quando o sonho atinge a... Continue lendo →

Entorpece

quero sentir aquilo de novo. dor misturada com prazer que misturada com dor vicia mais que cocaína. adrenalina. canabis injetada na veia. efeito purpurina. cerveja com gosto de champagne, chuchu que parece chocolate, alface com gosto de aipim. combinação que... Continue lendo →

S.O.S.

“tô precisando de ajuda”, disse. foi a primeira vez em muito tempo que deixou sair todo o desespero. soou brando, doce e sincero. mas era dolorido, veloz, fatal. incontolável, triste, choroso, moroso, agudo, azedo, difícil. era chato, impróprio, atrapalhava, matava,... Continue lendo →

Prova de amor

Sem saber em quem colocar a culpa, oscilo entre “a vida é muito louca” e “somos todos muito covardes”. Talvez as duas afirmações sejam verdadeiras. Ou nenhuma das alternativas acima. Não é como vestibular, de todas as maneiras. A vida... Continue lendo →

e ponto.

conte-me tua vida. que encontro teu lide. te escrevo de cabo a rabo. te coloco entre vírgulas. te esqueço no final do segundo parágrafo sem perder o fio da meada pro início do terceiro. te perco entre minha pontuação. tão torta.... Continue lendo →

Desastre natural

Você foi terremoto, seguido de tsunami, seguido de furacão - que era para ter certeza que havia despedaçado toda minha cidade de vidro. Não deu tempo de evacuar prédios, casas, artérias e corações. Não deu tempo de nada. Correu quem... Continue lendo →

Fundidos

*texto baseado em lembranças sonadas de uma vida inventada e no romance Febre, de Renato Essenfelder - cuidado, leitores: pode conter spoilers ........ Talvez ele tenha se matado, pensei. Talvez fosse eu, naqueles tempos, tivesse me matado também. Senti vergonha,... Continue lendo →

Ya no te va a doler

Te deixei em um dia de chuva. Nunca chovia em Guanajuato e a gente já sabia que a venda de guarda-chuvas empoeirados no começo de cada esquina era o presságio de uma noite que de certo não poderia acabar bem.... Continue lendo →

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑