Busca

Escrevo, depois apago

Não fui eu, foi meu eu-lírico

Tag

vida

Sobre Elena Ferrante e a montanha-russa da vida

Me vi passando por um momento desses meio blá. Faz tempo que não escrevo. Tem muito texto na pasta de rascunhos, mas esses me parecem obsoletos, já não me representam. Com os amigos, a sensação é parecida. Não me leve... Continue lendo →

Anúncios

Destilado do papel

Gosto de sofrer um pouco. Tristeza que destila, destila, fermenta e vira inspiração. Se transforma em palavras que abraçam, afagam o coração. Frases e pontos e vírgulas que se alinham sem o cérebro conseguir acompanhar. Sento no escuro, no macio... Continue lendo →

Quem já passou por essa vida e não viveu, pode ser mais, mas sabe menos do que eu

Luiz morreu aos 54 anos. Refeições gordurosas regadas a cerveja, vinho e uísque da melhor qualidade provavelmente destruíram seu fígado. Mesmo sabendo de sua condição genética - a mãe de Luiz morreu de cirrose sem nunca ter bebido uma gota... Continue lendo →

A história de Maria: quem disse que um versinho não daria?

Maria morreu aos 86 anos. Uma veia entupida fez seu coração parar de bater. Maria fazia check-up a cada seis meses, usando o convênio de idosos que um médico também idoso recomendou. Morava na mesma casa há 50 anos. Foi... Continue lendo →

e ponto.

conte-me tua vida. que encontro teu lide. te escrevo de cabo a rabo. te coloco entre vírgulas. te esqueço no final do segundo parágrafo sem perder o fio da meada pro início do terceiro. te perco entre minha pontuação. tão torta.... Continue lendo →

Descoberta

Eu, sinceramente, achei que tinha superado. Mas seguia comendo chocolate. Demais. Evitava o espelho. Mudei o cabelo. Quebrei o joelho. E precisei me apaixonar perdidamente por um personagem de televisão. Para entender-te. Me entender. Demorei, sabia? Para sacar o envolvimento.... Continue lendo →

Mesmo sem sentido

Já não encontro com amigos. Estou cansada. Dá preguiça de ir longe. Ou perto. Só preparar mesmo alguma coisinha em casa. Mas vai até que horas? Eu acordo cedo. Cedo? Eu tenho é que madrugar para dar conta de fazer... Continue lendo →

Proibido chorar em horário de trabalho

Me deu uma vontaaade de chorar. Mas era segunda-feira e o trabalho com menos uma jornalista na redação estava fervendo. O mundo do mercado imobiliário me esperava, com suas grosserias e esperas infinitas ao telefone, com má vontade de responder... Continue lendo →

Faz um tempo, eu quis fazer uma canção pra você viver mais

Eu tinha um medo incondicional de que alguma coisa, um dia, acontecesse com você. Dizem que, quando nascemos, no fundo sabemos o nosso destino e as dores pelas quais passaremos. Se for verdade, talvez fosse só minha memória irracional me... Continue lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑