Busca

Escrevo, depois apago

Não fui eu, foi meu eu-lírico

Os Incríveis 2

Se você ainda não tem planos para o fim de semana, vai aqui a melhor recomendação que alguém poderia te dar. E se você já tem milhares de compromissos, pois trate de desmarcar pelo menos um deles. Vá ao cinema... Continue lendo →

Anúncios

Pedaço quebrado de mim

Tenho sentido um incômodo, uma coisa ruim. Uma sensação esquisita de estranhamento, de perder a base, de perder o chão. De não me reconhecer ou reconhecer o outro em quem o outro era ou significava para mim. E tenho usado... Continue lendo →

fall (in love)

Suor na nuca. Tamborilar dos dedos. No peito uma nova invasão. Outra vez não. Ansiedade maluca. O alívio que chega quando aparece de supetão. Ah não, outra vez não. Cabeça enfiada no travesseiro. Joelhos segurando a testa. Rímel escorrendo de... Continue lendo →

sétima arte

Andei, observei, me irritei com as pessoas que riam, sem entender nada daquilo tudo. Prestei atenção mesmo assim. Senti cada palavra. Senti a dor. A angústia. O sofrimento que é só meu e tão comum a todos os seres humanos.... Continue lendo →

Dorme bem

Eu odeio quando você me deixa assim. Fria. Odeio quando faz questão de limitar a conversa e bruscamente anunciar sua partida. Vou dormir, você diz, está tarde. São 21h. Boa noite, você deseja. Boa noite, eu respondo. E espero. Vai... Continue lendo →

gente

Tem gente que aparece na nossa vida como um sopro de ar fresco. O dia a dia pode estar corrido, os compromissos que são muitos. A que rotina consome. Todo mundo sabe, tem amigo que tá lá só pras horas... Continue lendo →

A Cura

- Eu nunca achei que você fosse ser assim - Assim como? - Assim... Melosa, grudenta, cheia de mimimi Eu também não. Nunca achei. Nunca fui. Jamais pensei que fosse sentir saudades de alguém antes mesmo da ausência. Não sabia... Continue lendo →

Paraquedas

O vento bate forte nesse óculos gigante sem grau. Tão forte que não enxergo nada. Nada. As roupas, que não são minhas, pesam demais. Carregam uma história um tamanho maior que o meu. Doem os ombros e seguram as pernas,... Continue lendo →

eu remo, tu remas

Errei o caminho três vezes Cheguei e já não tinha vaga Rodei e rodei e rodei Parei Cabeça apoiada no volante As pernas já não tinham forças para sair Saí assim mesmo Cambaleei Não entendi uma palavra proferida a mim... Continue lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑